Iguatemi, Tera Feira, 20 de Agosto de 2019

Temer cobra ‘esforço concentrado’ para aprovar reforma da Previdência

0

 

Mais cedo, Temer havia dito que o governo vai trabalhar até terça-feira para garantir os votos necessários para aprovar a reforma da Previdência no plenário da Câmara. Se não conseguir, fica para 2018. A discussão da matéria vai começar a partir da quinta-feira, conforme foi marcado pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Após o evento do fim da tarde no Planalto, o relator da reforma, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse que o sentimento majoritário é de deixar a votação para o ano que vem.

“Hoje julgo que majoritariamente há condições de deixar para o ano que vem”, disse Oliveira Maia a jornalistas. “A gente sente hoje muita gente defendendo esta tese.”

Temer disse ser “legítimo” a preocupação dos parlamentares com um eventual prejuízo na eleição do próximo ano em razão da votação da proposta. Contudo, ele argumentou que o novo texto da reforma tem uma “suavidade extraordinária” e citou estudo feito pela consultoria do Senado que mostra que a maioria dos deputados que votaram a favor da reforma feita no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1998 elegeu-se.

Após pontuar as mudanças feitas ao texto, como a retirada de alterações em relação aos trabalhadores rurais e a equiparação das aposentadorias do serviço público com a iniciativa privada, o presidente afirmou que o único argumento para quem é contra a reforma é manter “privilégios”. Ele disse que o atual sistema viola o princípio da igualdade dos cidadãos.

Temer destacou que é possível que a economia sinta os efeitos negativos da não votação ou rejeição da reforma, com a eventual redução da criação de postos de trabalho. Afirmou ainda que a medida visa “salvar” Estados e municípios que não conseguem subsistir diante das dificuldades de manter em dia o pagamento dos seus sistemas previdenciários.

CONFIANÇA

Na linha da fala do presidente, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o momento é “crucial” e “decisivo” para aprovar a proposta. Ele avaliou que a votação da matéria tem por objetivo manter o retorno da confiança na economia do país, que começou a voltar após a série de reformas que o governo aprovou.

Meirelles repetiu que países que não fizeram a reforma, como a Grécia, tiveram de cortar benefícios previdenciários. O líder do governo na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), e o presidente da Confederação Nacional da Indústria, Robson Andrade, também fizeram defesas enfáticas da aprovação da matéria.

Fonte: Midiamax

6048895_x720

Share.

About Author

Leave A Reply